meistudies, 2º Congresso Internacional Media Ecology and Image Studies - O protagonismo da narrativa imagética

Tamanho da fonte: 
A presença do Jornal Nacional no Twitter: uma análise do tipo de conteúdo postado pelo noticiário em seu perfil oficial
Leire Mara Bevilaqua

Última alteração: 2019-09-17

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)

INFORMAR SE PARTICIPOU DO CONGRESSO INTERNACIONAL COMERTEC


Não são raros debates entre defensores do fim da televisão e teóricos contrários a esse posicionamento que argumentam pelo início de uma nova fase desse meio de comunicação (Carlón; Fechine, 2014). Assim como esses últimos, acredita-se que, diante da digitalização e da conexão em rede a partir da internet, são identificadas mudanças significativas em todo o ecossistema televisivo, da produção à recepção. E elas representam um estado de transição “[...] de muitas opções de televisão e de audiências” (Orozco Gómez, 2014, p. 111). Isso por que “[…] coexistem antigas e novas audiências, velhos e novos contratos televisivos, assim como formas novas e antigas de assumir os novos reconhecimentos mútuos entre a TV e o público” (Orozco Gómez, 2014, p. 107). Nesse contexto, a construção do modo de endereçamento dos telejornais (Gomes, 2011), ou seja, o estilo próprio de falar, estabelecido junto com o telespectador, por exemplo, já não se dá apenas a partir do que é veiculado pela televisão. Estende-se para as plataformas digitais, entre elas, os sites de redes sociais (Recuero, Bastos e Zago, 2015).

Este artigo tem justamente o objetivo de apresentar uma investigação sobre como se dá a construção recente do modo de endereçamento do Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, a partir de seu perfil oficial no Twitter. Para isso é feita a comparação dos tipos de postagens e seus conteúdos em dois períodos. O primeiro levantamento, mais extenso, foi realizado entre os meses de maio e dezembro de 2015. Nesse mapeamento inicial, foram identificados 3 tipos principais de postagens: vídeos com destaques do dia (sem um formato definido e sem periodicidade), links das reportagens exibidas para acesso no site do telejornal e fotos para marcar o início do telejornal na televisão. Entre eles, o destaque ficou por conta das fotografias, justamente pela tentativa de aproximação ao público do Twitter. Elas foram analisadas com base no contexto comunicativo, um operador de análise do modo de endereçamento, formulado por Gomes (2011), e classificadas em cinco categorias: desconstrução da bancada, fotos em que os apresentadores são posicionados de forma descontraída nesse que foi, por muitos anos, o local de realização do telejornalismo; apresentadores atores, com simulações de ações que não são comuns à prática profissional; bastidores da notícia, com imagens de ângulos e profissionais nunca apresentados ao público; selfies, com os jornalistas em seus postos de trabalho ou nos bastidores; e linguagem dos sites de redes sociais, imagens com referências a hashtags utilizadas nessas plataformas.

O segundo momento de coleta foi realizado entre os meses de junho e julho de 2018, período que compreendeu a Copa do Mundo de Futebol na Rússia. Nele, foi possível verificar mudanças, mas também a manutenção de alguns dos tipos de postagens acima listado. Por exemplo, as fotos continuaram a ser postadas, seguindo a categorização proposta, e permaneceram com grande repercussão entre os usuários. No entanto, o noticiário passou a fazer uso, como primeira postagem do dia, de um vídeo com os destaques da edição. Apesar de ter o mesmo enquadramento da chamada que vai ao ar na televisão, o vídeo para o Twitter passou a ser produzido com uma linguagem mais descontraída, conquistou um número significativo de visualizações e maior nível de interação (curtidas e comentários), e passou a incentivar o consumo do telejornal “a qualquer tempo” pela internet.

A partir da comparação das postagens nos dois momentos acima mencionados, foi possível identificar que o Jornal Nacional utiliza o Twitter de forma estratégica para acionar seu público e construir, com ele, seu modo recente de endereçamento, que expressa aproximação ao público dos sites de redes sociais e a tentativa de se apresentar como um noticiário aberto a críticas e sugestões. Tentativa porque esses momentos ainda são bastante restritos e delimitados na transmissão ao vivo do noticiário, atendendo rigorosamente aos interesses editoriais. Ao mesmo tempo, o telejornal busca conservar algumas características que o singularizaram ao longo das últimas décadas, ou seja, o endereçamento construído junto ao telespectador de telejornal imparcial, responsável por atualizar o público sobre o que de mais importante aconteceu no dia e por desempenhar a função de guardião dos interesses dos cidadãos.



Palavras-chave


telejornalismo; sites de redes sociais; modo de endereçamento; Jornal Nacional; Twitter

Texto completo:

PDF