meistudies, 1º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Da Aldeia Global à Mobilidade

Tamanho da fonte: 
Deslocamentos nas narrativas compartilhadas via plataformas sociais pelos povos Sírios
Maira Valencise Gregolin

Última alteração: 2019-03-10

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)

INFORMAR SE PARTICIPOU DO CONGRESSO INTERNACIONAL COMERTEC


Deslocamentos nas narrativas compartilhadas via plataformas sociais pelos povos Sírios

A presente proposta de trabalho procura discutir os deslocamentos ocorridos nas narrativas compartilhadas via plataformas sociais pelos manifestantes Sírios dos primórdios da Guerra Síria, em 2011 até a atualidade, salientando sua inextricável ligação com as redes sociais digitais e analisando suas práticas, propiciadas pelo uso das mídias móveis e do compartilhamento de fotos, textos e vídeos via smartphones com geolocalização. Dentre os principais resultados obtidos na presente reflexão, pode-se destacar que houve profundas modificações nas práticas dos manifestantes Sírios, que conseguiam burlar a censura imposta aos meios de comunicação tradicionais e davam visibilidade aos acontecimentos, denunciando crimes por meio de imagens chocantes, que expõem ao olhar do mundo as atrocidades cometidas pelos governos ditatoriais.

Será necessário uma reflexão quanto aos impactos que a cultura da convergência e o uso de dispositivos móveis (smartphones) provocam nas relações interpessoais, mobilizando conceitos de um campo de estudos relativamente recente no interior das teorias das mídias, centrado nas noções de mídias pós-massivas, mobilidade e cultura participativa. Torna-se necessário abarcar estudiosos que tratam as experiências de uso das mídias móveis nos espaços urbanos, abrangendo desde os “clássicos” como Marshall McLuhan e Neil Postman aos contemporâneos como Pierre Lévy, Carlos Scolari, Manuel Castells e outros. Ao situar movimentos de ação social (ativismo digital) como típicos da cultura participativa, conceitua-se tal fenômeno no contexto mobilidade e da cultura participativa. Ao associar esses marcos à figura do usuário ao longo dos tempos, evidenciamos as transformações ocorridas nas suas relações com as mídias, suas proximidades e distanciamentos em função dos usos.

Diferente de uma visão paradisíaca, procura-se com essa reflexão adotar a posição de quem observa as contradições e paradoxos desse mundo digital, interessados em compreender as mutações das sensibilidades contemporâneas.


 


Palavras-chave


Mobilidade; Cultura Participativa; Guerra Síria; Desinformação Digital

Texto completo:

PDF