meistudies, 1º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Da Aldeia Global à Mobilidade

Tamanho da fonte: 
A imagem digital em perspectiva: percepções sobre a linguagem 360º no cotidiano dos jovens
Carolina Gois Falandes, Alan César Belo Angeluci

Última alteração: 2019-01-16

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)

INFORMAR SE PARTICIPOU DO CONGRESSO INTERNACIONAL COMERTEC


O presente estudo reflete sobre a cultura da imagem digital, com um olhar para os modos de fruição dos jovens em relação as narrativas em 360 graus, no contexto do contemporâneo convergente. Diante de uma geração hiperconectada, que utiliza principalmente os smartphones, os meios de comunicação, de modo geral, buscam inovações e abrem, ainda que timidamente, espaço para a realidade virtual (RV), modalidade de mídia imersiva popularizada pelos jogos, mas que hoje desperta novos usos e apropriações por diferentes campos, como o jornalístico e o educacional. Também, a democratização dos equipamentos de produção, edição e visualização, bem como o desenvolvimento de players específicos on-line para a divulgação de conteúdos desse tipo, são fatores que têm impulsionado o crescimento do número de fotos e vídeos desta linguagem, criados tanto por profissionais como por amadores.

Esta pesquisa caracteriza-se por ser inovadora sobretudo por avaliar as percepções de jovens no que se refere ao universo das imagens digitais, com foco nas reações filmadas com uma câmera 360 graus quando da aplicação de uma experiência imersiva envolvendo um óculos de realidade virtual. Além de evidenciar o relacionamento de jovens com o modelo imagético em RV, de caráter interativo e estereoscópico, a investigação científica traz à tona o protagonismo que as imagens, de diferentes tipos, alcançaram ao longo do tempo, intensificado por conta da digitalização e, mais recentemente, com o boom das redes sociais virtuais.

Seguindo os pressupostos da metodologia de levantamento por amostragem, serão avaliados dados quantitativos coletados de forma on-line sobre usos e apropriações das imagens digitais por jovens de Arica, no Chile, com idade entre 15 e 24 anos. O Formulário Google foi distribuído em duas instituições públicas de ensino da região, em outubro de 2018. Até o fechamento deste texto, o instrumento recebeu 15 respostas. Por tratar-se de um pré-teste, esta coleta tanto valida este estudo como será base para a efetivação de uma nova pesquisa a ser aplicada em um município brasileiro. Complementarmente, para uma investigação qualitativa, foram realizadas seis entrevistas semiestruturadas, face-a-face, filmadas por uma câmera 360 graus, com jovens encontrados em distintos pontos da cidade. A análise também é amparada pelo delineamento da pesquisa bibliográfica, tendo como referência trabalhos que abordam a cultura da imagem, a influência das tecnologias no cotidiano dos jovens e as narrativas em 360 graus, eixos teóricos que serão tratados com o apoio de autores como Fatorelli e Bruno (2006), Hansen (2004), Machado (2007), Manovich (2001), Molina e Gosciola (2018), Parente (1993) e Tori (2018).

Com relação aos resultados quantitativos obtidos a partir do questionário, destaca-se a preferência dos respondentes por fotos e vídeos tradicionais e o fato de não observarem ou se depararem raramente com imagens em 360 graus nas plataformas on-line que utilizam. Além disso, vale ressaltar que o Instagram, mais especificamente a função Stories, é o espaço onde os participantes da enquete afirmam compartilhar e visualizar mais conteúdos de imagens. No que se refere a análise qualitativa das seis entrevistas semiestruturadas, constata-se que o smartphone é o principal meio para produção e divulgação de imagens. Já a linguagem 360° é pouco explorada por esses jovens, alguns não conheciam, outros chegaram a ver vídeos/fotos, porém, nenhum deles tinham produzido conteúdos desse tipo. Relativamente a experiência com óculos de RV, todos os entrevistados interagiram com o equipamento pela primeira vez, realizando movimentos em busca de uma maior imersão, a exemplo da tentativa de alcançar com as mãos o que estavam vendo, girar e apontar. Desse modo, pode-se concluir com este trabalho que a linguagem 360 graus é inovadora e provoca encantamento nos jovens, assim, configura-se uma tecnologia emergente e que ainda não está naturalmente integrada ao cotidiano humano, ao contrário do cinema e da televisão, totalmente midiatizados. Porém, pesquisas recentes já indicam um significativo avanço na produção e divulgação dessas imagens e projetam um crescimento efetivo para os próximos anos.


Palavras-chave


Cultura da Imagem; Linguagem 360º; Jovens; Realidade Virtual

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o trabalho

Visualizar todos os comentários