meistudies, 1º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Da Aldeia Global à Mobilidade

Tamanho da fonte: 
Organizações e Narrativas Transmídia: um olhar estratégico e comunicacional
Tainah Schuindt Ferrari Veras, Maria Eugênia Porém

Última alteração: 2019-01-16

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)

INFORMAR SE PARTICIPOU DO CONGRESSO INTERNACIONAL COMERTEC


A estratégia de criar e compartilhar histórias por meio da comunicação é tão importante nas organizações quanto a comercialização de produtos e serviços. Afinal, contar histórias faz parte da essência da nossa espécie, e justamente por conta da imaginação coletiva do homo sapiens surgiram conceitos como as leis, os direitos humanos, a justiça, e as próprias organizações, conceitos esses que são intangíveis, não podem ser vistos ou tocados, mas unificam as pessoas em torno de perspectivas comuns e dão sentido à vida em sociedade (HARARI, 2017). Adicionalmente, as narrativas, ficcionais ou não, criadas por gestores e empregados em uma empresa envolvem tanto questões imateriais, como valores, representações e vivências a serem disseminados, quanto aspectos materiais, já que as histórias podem ser formalizadas em meios impressos, audiovisuais, digitais, entre outros (D’ALMEIDA, 2006). Assim, uma organização pode ser entendida como um conjunto de narrativas imbricadas entre si que se consolidam no dia a dia, permitem refletir sobre a realidade, e geram diferentes possibilidades de decisão, de ação e de compreensão (MANUCCI, 2005). Nesta perspectiva, os atores das organizações podem se apropriar dessas histórias de forma estratégica, utilizando-as como ação de comunicação junto a diferentes públicos de interesse. Para que isso ocorra, compreendemos que é válido pensar nas relações entre o universo organizacional e o ecossistema midiático, já que, em tal ecossistema, é recorrente a organização, a produção e o compartilhamento de ficções em filmes, séries, games, websites, entre outros. Existe um conceito em especial no âmbito midiático que preza pela coexistência entre autonomia e integração, justamente como entendemos ser necessário nas organizações: a narrativa transmídia, e é nesse conceito que nos concentraremos. Nessa forma de narrativa, diferentes meios utilizam suas potencialidades para contar histórias que fazem sentido individualmente, porém quanto maior o acesso e o envolvimento com os conteúdos presentes nas múltiplas plataformas, maior é a compreensão e a imersão na narrativa como um todo (JENKINS, 2008). Em outras palavras, os conteúdos são independentes, porém complementares. Diante do cenário apresentado, estruturamos um ensaio com o objetivo de refletir sobre relações entre organização e narrativa transmídia, realizando para isso uma pesquisa bibliográfica de cunho exploratório. Os resultados indicam que tal relação estabelecida pode ser benéfica tanto para entender de maneira mais complexa as práticas organizacionais, considerando que se trata de um universo que é de todos e ao mesmo tempo de cada um, quanto para elaborar estratégias de comunicação que se instaurem em diferentes meios e ampliem a notoriedade da organização.

Referências

D'ALMEIDA, N. La perspective narratologique en organisations. In: LA BROISE,P.; LAMARCHE, T.; HUET, R. Responsabilité sociale: vers une nouvelle communication des entreprises. Lille: Presses Universitaires, 2006. p. 27-38.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. 22 ed. Porto Alegre: L&PM, 2017.

JENKINS, H. Cultura da convergência. Tradução de Susana Alexandria. São Paulo: ALEPH, 2008.

MANUCCI, M. Atrapados en el presente: la comunicación, una herramienta para construir el futuro corporativo.  Editorial “Quipus”: Quito, 2005.


Palavras-chave


Comunicação; Organização; Narrativa Transmídia.

Texto completo:

PDF