meistudies, 1º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Da Aldeia Global à Mobilidade

Tamanho da fonte: 
A grande reportagem multimídia como expressão plena do jornalismo on-line: dos sucessos pioneiros aos produtos nativos digitais
Alexandre Lenzi

Última alteração: 2019-01-16

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)

INFORMAR SE PARTICIPOU DO CONGRESSO INTERNACIONAL COMERTEC


Trabalho nobre do jornalismo, independentemente da plataforma, a reportagem também ganha destaque on-line como sinônimo de conteúdo aprofundado, contextualizado e inovador, principalmente no quesito formato. Manter e ampliar o uso da reportagem jornalística on-line como espaço pleno para experimentação é uma oportunidade para jornais ousarem, inovarem e entregarem um conteúdo diferenciado que convença o público consumidor a pagar por ele (LENZI, 2018).

Por meio de pesquisa exploratória, este trabalho traz um olhar para a evolução das grandes reportagens multimídia, partindo dos trabalhos pioneiros como os publicados pelo argentino Clarín e o espanhol El Mundo nos anos 2000, passando por exemplos de sucesso como Snow Fall do The New York Times, a série Tudo Sobre da Folha de S. Paulo, o UOL TAB e experiências recentes em Realidade Virtual, até chegar às reportagens especiais publicadas em 2018 pelo jornal nativo digital Nexo. O trabalho traz também reflexões teóricas a partir de autores como John Pavlik (2001), Suzana Barbosa (2013), Raquel Longhi (2014), João Canavilhas (2014) e Alexandre Lenzi (2018).

Entre as experimentações da grande reportagem multimídia estudadas, uma tendência consolidada é de um conteúdo cada vez mais visual. Ou seja, mesmo quando o texto é o fio condutor, ganham grande espaço especialmente produções em vídeos e infográficos. Exemplos apresentados ao longo do trabalho mostram que há investimento nas duas frentes, no texto, e o longform entra em cena para reforçar a profundidade e contextualização para a internet, e nos audiovisuais, com as maiores empresas investindo até mesmo em tecnologias caras e que demandam mais tempo de produção, como a Realidade Virtual. Entende-se que um jornalismo visual faz parte de uma ação para atrair e cativar uma nova geração de consumidores. Há, contudo, uma preocupação em não espetacularizar a reportagem, no sentido de evitar que o formato seja mais importante do que o conteúdo. Um trabalho mais visual, mais interativo, pode sim ser aprofundado e informativamente relevante, a exemplo do que se tem feito com técnicas do jornalismo de dados.

As oito reportagens da seção “Especial” publicadas pelo Nexo ao longo de 2018 reforçam a ideia de que ao unir características própria do gênero jornalístico (como profundidade, interpretação e contextualização) com aquelas potencializadas pela publicação on-line (com destaque para a hipertextualidade, a multimidialidade e a interatividade), o produto informativo digital torna-se algo realmente diferenciado. Um produto que só no on-line encontra o espaço para existir de forma plena. Desta forma, entende-se que ao ser transportada para um dos formatos tradicionais (impresso, televisivo ou radiofônico), algo se perderia.

Ao olhar para publicações de diferentes portes, nacionalidades e linhas editoriais, é importante lembrar ainda o mérito da empresa jornalística que valoriza a prática da reportagem, independentemente da plataforma de publicação do trabalho final. Citando o pesquisador Nilson Lage, no universo do jornalismo diário “para que uma boa reportagem se realize, é necessário que a indústria tenha interesse em produzi-la – eventualmente por questão de sobrevivência na luta pela conquista de leitores ou de prestígio” (LAGE, 2012, p. 109). E isso, mesmo que em diferentes níveis de intensidade, as empresas aqui estudadas estão fazendo.

 

Referências

BARBOSA, Suzana. Jornalismo convergente e continuum multimídia na quinta geração do jornalismo nas redes digitais. In: João CANAVILHAS (Org.). Notícias e mobilidade: o jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã, Portugal: LabCom, p. 33-54, 2013.

CANAVILHAS, João (Org.). Webjornalismo: 7 caraterísticas que marcam a diferença. Covilhã, Portugal: LabCom, 2014.

LAGE, Nilson. Ideologia e técnica da notícia. 4a edição, revista e atualizada. Insular: Florianópolis, 2012.

LENZI, Alexandre. Inversão de papel: prioridade ao digital, um novo ciclo de inovação para jornais impressos. Florianópolis: Insular, 2018.

LONGHI, Raquel Ritter. O turning point da grande reportagem multimídia. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 897-917, setembro-dezembro de 2014.

PAVLIK, John. Journalism and new media. Nova Iorque, EUA: Columbia Press, 2001.


Palavras-chave


Jornalismo on-line; Reportagem multimídia; Nativos digitais.

Texto completo:

PDF  |  Apresentação

Comentários sobre o trabalho

Visualizar todos os comentários