meistudies, 2º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Mulher e Gênero no Ecossistema Midiático

Tamanho da fonte: 
Fotografia Mobile e Mobgrafias: Uma experiência em várias camadas. Uma prática baseada em um novo universo ecólogo midiático na rua e em movimento.
Jefferson Alves de Barcellos, Denis Renó

Última alteração: 2020-03-11

Resumo


Daguerre apontava através dos seus experimentos a necessidade de construir um ethos fotográfico, não que ele atribuísse aos seus experimentos a pecha de fotografia, mas sim a ideia de gravar através de rudimentares ferramentas imagens até então soltas no tempo e espaço.

Sougez (1994) aponta que o caminho na construção dessas ferramentas e na obtençåo do ferramental bem como da linguagem fotográfica será longo, árduo e bastante extenuante, tanto nos aspectos sociais (inserção da técnica na sociedade e seu justificado uso), como também em seus aspectos artísticos e sua consolidação enquanto uma nova ferramenta de expressão junto a classe artística. Benjamin (2018) em seu livro A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica fará, já no século XX, um recorte bastante preciso da ideia e dos desafios de discutir a fotografia do ponto de vista seminal das artes visuais. Sobretudo no campo da pintura, um dos cânones dessa discussão.

Porém, tendo o respaldo de obras seminais que levantam a discussão acerca do universo das imagens fotográficas, neste artigo, se propõe discutir e lançar um olhar sobre a fotografia mobile (mobgrafias) e suas inserções no universo do cotidiano fotográfico. Para isso um experimento em curso na rede social Instagram será utilizado como campo de experimentação visual e de pesquisa, pesquisa essa sustentada como uma construção aberta onde os campos midiáticos convergem, como preconiza Renó (2012).

A rede, Instagram, foi escolhida em consonância com o pensamento de Manovich (2017), e sua ideia de Instagramismo, a rede a serviço da construção de uma nova linguagem pós fotográfica.



Palavras-chave


fotografia; fotografia mobile; mobgrafia; smartphone; pós fotografia; ecologia dos meios

Texto completo: PDF