meistudies, 2º Congresso Ibero-americano sobre Ecologia dos Meios - Mulher e Gênero no Ecossistema Midiático

Tamanho da fonte: 
A fotografia na Nova Ecologia dos Meios: aspectos e práticas
Laís Akemi Margadona, Denis Porto Renó

Última alteração: 2020-03-11

Resumo


O objetivo desta investigação é iniciar uma reflexão sobre a prática da fotografia no complexo contemporâneo da Nova Ecologia dos Meios, estabelecendo as ligações teóricas necessárias. Ao longo de sua história, a imagem fotográfica foi incorporada a um pulsante ecossistema midiático, do grão ao pixel, que engloba desde os meios tradicionais, físicos, às novas mídias digitais – ou ainda, às “novas novas mídias”, termo cunhado por Paul Levinson (2012) para nomear os novíssimos meios em que criador, receptor e publicador de conteúdos se confundem. Mídias sociais como o Facebook, YouTube e Google+, são consideradas por Levinson como “novas novas mídias” (LEVINSON, 2012, p.2-3).

De maneira semelhante, no contexto da imagem, o fotógrafo, professor e ensaísta Joan Fontcuberta (2012, 2014 e 2016) define novos horizontes para o registro fotográfico. Na contemporaneidade, Fontcuberta (2014) aponta que o papel do artista se confunde com o de curador, colecionista, docente, teórico – um aspecto cambiante que pode ser relacionado às “novas novas mídias” de Levinson (2012). Ainda, Fontcuberta define que a circulação e gestão da imagem prevalece sobre seu próprio conteúdo e são privilegiadas, agora, práticas lúdicas em detrimento do “solene + o chato” (FONTCUBERTA, 2014, p.122-123). Tais postulados, contidos no decálogo pós-fotográfico erigido pelo autor, elucidam as novas práticas relativas ao pensar e fazer da imagem fotográfica no contexto conectado da Nova Ecologia dos Meios.

Sinteticamente, a Ecologia dos Meios é tida como “o estudo de sistemas complexos de comunicação como ambientes” (NYSTROM, documento eletrônico). Os estudos na teoria tiveram início nos anos 1960 e culminaram na criação do primeiro programa acadêmico em Ecologia dos Meios por Neil Postman, na Universidade de Nova York (1971), e na fundação da Media Ecology Association (1998).

Alguns conceitos-chave definidos podem ser aplicados à prática fotográfica na Nova Ecologia dos Meios: ubiquidade, das câmeras e dos canais de distribuição da imagem; velocidade, na captura e compartilhamento dos registros; virtualidade, das interfaces de manipulação da imagem, compartilhamento e visualização dos registros imagéticos prontos; e pluralidade de narrativas e gêneros imagéticos: de selfies a fotografias ressignificadas em memes, imagens analógicas digitalizadas a exposições de fotografia fine art divulgadas por mídias digitais.

Tal ecossistema contemporâneo, na fotografia, é marcado por velozes e vorazes canais de distribuição da imagem, representados por um leque de aplicativos como Snapchat, Facebook, Flickr, Instagram, Happn, Twitter, Tinder. Em cada um desses canais, de maneira articulada e quase inconsciente, o fotógrafo veste a sua imagem, o seu produto fotográfico, com a roupagem conveniente às interações sociais exigidas em cada uma das plataformas: o cotidiano fugaz, nos stories do Snapchat e agora, do Instagram; o humor e o meme, nos posts do Twitter; a recordação familiar e afetiva, nos álbuns do Facebook; a prática da conquista e do flerte, nos matches do Tinder.

Dessa forma, espera-se que esta investigação possa motivar a elucidação de aspectos e práticas que concernem à fotografia contextualizada na Nova Ecologia dos Meios, dada à escassez de material específico que una as duas teorias, fotografia e Ecologia dos Meios. A pós-fotografia de Joan Fontcuberta, a imagem interfaceada por telas, a voracidade dos canais de distribuição e recepção das imagens, e também a diversidade de narrativas imagéticas fragmentadas foram alguns dos aspectos notados neste estudo.

FONTCUBERTA, Joan. A câmera de Pandora: a fotografia depois da fotografia. São Paulo: G.Gilli, 2012.

__________________. A furia de las imágenes: notas sobre la postfotografía. Barcelona: Galaxia Gutenberg, 2016.

__________________. Por um manifesto pós-fotográfico. Tradução de Gabriel Pereira. Studium, Campinas, n.36, p.118-130, jul. 2014.

LEVINSON, Paul. New new media. Nova Iorque: Pinguim, 2012.

NYSTROM, Christine. What is Media Ecology? (documento eletrônico). Disponível em: <media-ecology.org/media_ecology/index.html>. Acesso em: 25 jul. 2016.

SCOLARI, Carlos A. (Ed.) Ecología de los medios: Entornos, evoluciones e interpretaciones. Barcelona: Gedisa, 2015.


Palavras-chave


Fotografia; Nova Ecologia dos Meios; Pós-Fotografia; Comunicação

Texto completo: PDF

Comentários sobre o trabalho

Visualizar todos os comentários